Oahu Costa Norte - Hawaii - Estados Unidos por WSL

1º dia do QS 10000 Hawaiian Pro Haleiwa 2019

Confira a transmissão webcast e os destaques do 1º dia do QS 10000 Hawaiian Pro 2019. Os brasileiros Wiggolly Dantas, Thiago Camarão e João Chianca se destacaram nas ondas de 6-8 pés da sexta-feira na primeira das duas etapas do QS 10000 que fecham o WSL Qualifying Series 2019 no Havaí

Previsão Surfguru de águas rasas para Haleiwa Beach Park - Oahu - Hawaii

O Brasil ganhou todas as quatro etapas com status máximo do WSL Qualifying Series esse ano e vai tentar manter essa hegemonia nos dois QS 10000 da Tríplice Coroa Havaiana, que fecham a lista dos dez indicados para a elite dos top-34 do Championship Tour em 2020. Quatro vagas já estão confirmadas pelos brasileiros que encabeçam o ranking, o potiguar Jadson André em primeiro lugar, o catarinense Yago Dora em segundo e os paulistas Alex Ribeiro em terceiro e Miguel Pupo em quarto. E os brasileiros já se destacaram no primeiro dia do Hawaiian Pro, com os paulistas Wiggolly Dantas e Thiago Camarão e o saquaremense João Chianca, começando bem nas ondas de 6-8 pés da sexta-feira em Haleiwa Beach.

2ª parte da Transmissão Webcast

“Eu adoro surfar em Haleiwa e as ondas estão superdivertidas hoje (sexta-feira)”, disse Wiggolly Dantas. “Eu surfei esta manhã e não consegui pegar boas ondas para treinar. Mas, senti que a prancha que usei, era a minha prancha mágica para essa condição de mar. Eu só queria ir lá fora pegar as ondas para fazer minhas manobras e consegui o que queria. É muito bom estar mais um ano competindo aqui no Havaí e quero aproveitar ao máximo”.

Destaques do dia

Wiggolly fez a melhor apresentação da sexta-feira em Haleiwa Beach, na sétima das quatorze baterias da primeira fase, disputadas no primeiro dia do Hawaiian Pro. Ele escolheu bem sua primeira onda, que abriu uma parede lisa para mandar uma série de cinco batidas e rasgadas de backside executadas com pressão, para ganhar nota 8,67 dos juízes. Repetiu a dose na onda seguinte, que valeu 8,00, para ser o recordista absoluto do primeiro dia com 16,67 pontos. Na briga pela segunda vaga para a próxima fase, O`Neill Massin superou o também taitiano por 11,73 a 10,00 e o australiano Callum Robson ficou em último com 8,34.

Seu irmão mais jovem, Weslley Dantas, que no ano passado foi premiado como “Estreante do Ano” na Tríplice Coroa Havaiana, também começou com vitória na 12.a bateria. No entanto, as ondas já não estavam tão boas, como quando o Wiggolly competiu, então as notas 5,83 e 4,00 que conseguiu nas últimas que surfou, foram suficientes para derrotar o sul-africano Jordy Maree e eliminar dois havaianos, Cody Young e Shayden Pacarro.

“Eu me senti bem na bateria e já estou ansioso pelo swell (ondulação) que está chegando amanhã (sábado), com ondas maiores que hoje”, disse Weslley Dantas. “Hoje (sexta-feira), as ondas estavam boas também. Consegui surfar uma com três manobras, que foi bem legal e estou feliz por estar aqui mais uma vez, com meus amigos e o meu irmão”.

CAMPEÕES SUL-AMERICANOS – Outros destaques do Brasil no primeiro dia do Hawaiian Pro foram dois surfistas que têm em seus currículos, o título de campeão sul-americano de surfe profissional da WSL Latin America. O paulista Thiago Camarão, que foi o melhor do continente em 2017, venceu a sexta bateria por 13,37 pontos, somando uma nota 7,67. Outros dois competidores da América do Sul estrearam junto com ele e o argentino Leandro Usuña, único não brasileiro a conquistar o título sul-americano em 2016, ficou com a outra vaga para a segunda fase. Ele superou o peruano Miguel Tudela por 11,16 a 8,27 pontos.

O saquaremense João Chianca entrou na galeria dos campeões sul-americanos da WSL Latin America este ano e está participando da Tríplice Coroa Havaiana pela primeira vez. O irmão mais jovem do big-rider Lucas “Chumbo” Chianca, destaque do World Surf League Big Wave Tour, ganhou a oitava bateria da sexta-feira por 13,00 pontos, com nota 7,33 na melhor onda. Ele e o americano Michael Dunphy, despacharam os havaianos Koa Smith e Torrey Meister.

“Essa é a minha primeira vez na Tríplice Coroa Havaiana e estou muito empolgado por isso”, disse João Chianca. “Eu consegui surfar bem uma onda agora e já estou ansioso para competir de novo. Espero que tenha boas ondas na minha próxima bateria, para poder mostrar o meu surfe. Meu objetivo esse ano era conseguir disputar a Tríplice Coroa e aqui estou eu, então só posso estar feliz em participar desses eventos e quero mostrar o que posso fazer”.

SUL-AMERICANOS – No total, dez surfistas da América do Sul competiram em oito das quatorze baterias realizadas na sexta-feira em Haleiwa Beach. Sete eram do Brasil e quatro estrearam com vitórias no QS 10000 Hawaiian Pro, os irmãos Wiggolly e Weslley Dantas, Thiago Camarão e João Chianca. O catarinense Tomas Hermes passou em segundo na sua e dois foram eliminados em terceiro lugar, Flavio Nakagima e Matheus Navarro.

Dois dos três peruanos também ficaram na primeira fase, Joaquim del Castillo e Miguel Tudela, na bateria que o brasileiro Thiago Camarão e o argentino Leandro Usuña se classificaram. Já o vice-campeão sul-americano do ano passado, Alonso Correa, garantiu a primeira vitória do “Inka Team” nas ondas de Haleiwa. Ele mostrou toda a potência do seu surfe na única onda boa que conseguiu surfar. Alonso recebeu a segunda maior nota do dia, 7,83, para superar o australiano Sheldon Simkus por 11,23 a 11,00 pontos. O catarinense Matheus Navarro ficou em terceiro com 8,90 e o havaiano Michael O´Shaughnessy em último com 3,56 apenas.

CABEÇAS DE CHAVE – Ainda tem mais um brasileiro na primeira fase, Marco Fernandez. O baiano foi escalado na 15.a e penúltima bateria, com os americanos Luke Gordon e Tanner Gudauskas e o havaiano Chris Foster, que ficou para abrir o sábado no Havaí. Mais quatro fazem parte da lista dos 32 pré-classificados que entram na segunda fase, os pernambucanos Ian Gouveia na quinta bateria e Luel Felipe na 12.a, além do paulista Samuel Pupo e o catarinense Alejo Muniz, que estreiam juntos na 14.a.

Samuel Pupo foi o campeão do segundo e último QS 10000 da “perna europeia” do WSL Qualifying Series. Seu irmão mais velho, Miguel Pupo, ganhou o da Espanha em Pantin, que garantiu seu retorno à elite mundial dos top-34 do CT. Também no mês de setembro, Samuca festejou sua primeira vitória no Circuito Mundial e, logo em uma etapa com status máximo, em Ericeira, Portugal. Com os 10.000 pontos, Samuel saltou para o nono lugar no ranking, passando a ser o quinto brasileiro entre os dez que se classificam para o CT.

Miguel Pupo e os outros três que já garantiram suas vagas para 2.020, pelo ranking de acesso da World Surf League, estão entre os nove brasileiros que formam o grupo dos 32 principais cabeças de chave do Hawaiian Pro. Estes só estreiam na terceira e última rodada de dezesseis baterias, já disputando classificação para as oitavas de final da primeira joia da Tríplice Coroa Havaiana. Miguel está na quinta bateria, com o australiano Adrian Buchan.

Dois tops da elite atual competem antes dele, o catarinense Willian Cardoso na segunda e o paulista Deivid Silva na terceira. Depois do Miguel Pupo, entra mais um paulista que já confirmou seu retorno para o CT, Alex Ribeiro. Outro garantido pelo QS estreia na décima bateria, o catarinense Yago Dora. O líder do ranking, Jadson André, está na 14.a, Caio Ibelli na 11.a e dois que precisam de bons resultados para permanecer na elite, encabeçam a 15.a e penúltima bateria da terceira fase, o cearense Michael Rodrigues e o paulista Jessé Mendes.

O QS 10000 Hawaiian Pro está sendo transmitido ao vivo de Haleiwa Beach no Havaí pelo www.worldsurfleague.com e pelo aplicativo grátis da World Surf League.

----------------------------------------------------------------

João Carvalho – WSL South America Media Manager

(48) 999-882-986 – jcarvalho@worldsurfleague.com

----------------------------------------------------------------

SOBRE A WORLD SURF LEAGUE - A World Surf League (WSL) tem como objetivo celebrar o melhor surfe do mundo nas melhores ondas do mundo, através das melhores plataformas de audiência. A Liga Mundial de Surf, com sede em Santa Mônica, na Califórnia, atua em todo o globo terrestre, com escritórios regionais na Austrália, África, América do Norte, América do Sul, Havaí, Europa e Japão. A WSL vem promovendo os melhores campeonatos do mundo desde 1976, realizando mais de 230 eventos globais masculinos e femininos no ano para definir os campeões mundiais do World Surf League Championship Tour, Big Wave Tour, Redbull Airborne, Qualifying Series e das categorias Junior e Longboard, além do WSL Big Wave Awards. A Liga tem especial atenção para a rica herança do esporte, enquanto incentiva a progressão, inovação e desempenho nos mais altos níveis, para coroar os campeões de todas as divisões do Circuito Mundial. Os principais campeonatos de surf do mundo são transmitidos ao vivo pelo www.worldsurfleague.com e pelo aplicativo grátis da WSL. A World Surf League é pioneira em streaming online para uma enorme legião de fãs apaixonados e interessados em ver as grandes estrelas, como Kelly Slater, Stephanie Gilmore, John John Florence e muitos brasileiro, como Gabriel Medina, Adriano de Souza, Filipe Toledo, Italo Ferreira, Silvana Lima, Tatiana Weston-Webb, competindo no campo de jogo mais dinâmico e imprevisível de todos os esportes no mundo.

Para mais informações, visite o WorldSurfLeague.com.

----------------------------------------------------------------

BATERIAS DOS SUL-AMERICANOS NO HAWAIIAN PRO:

PRIMEIRA FASE – 3.o=97.o lugar (200 pts) e 4.o=113.o lugar (180 pts):

2.a: 1-Eithan Osborne (EUA), 2-Coconut Willie (HAV), 3-Patrick Gudauskas (EUA), 4-Joaquin del Castillo (PER)

3.a: 1-Dusty Payne (HAV), 2-Tomas Hermes (BRA), 3-Aritz Aranburu (ESP), 4-Anthony Walsh (HAV)

6.a: 1-Thiago Camarão (BRA), 2-Leandro Usuna (ARG), 3-Miguel Tudela (PER), 4-Robert Patterson (HAV)

7.a: 1-Wiggolly Dantas (BRA), 2-O´Neill Massin (TAH), 3-Tereva David (TAH), 4-Callum Robson (AUS)

8.a: 1-João Chianca (BRA), 2-Michael Dunphy (EUA), 3-Koa Smith (HAV), 4-Torrey Meister (HAV)

10: 1-Alonso Correa (PER), 2-Sheldon Simkus (AUS), 3-Matheus Navarro (BRA), 4-Michael O´Shaughnessy (HAV)

12: 1-Weslley Dantas (BRA), 2-Jordan Maree (AFR), 3-Cody Young (HAV), 4-Shayden Pacarro (HAV)

14: 1-Finn McGill (HAV), 2-Elijah Hanneman (HAV), 3-Flavio Nakagima (BRA), 4-Dean Bowen (AUS)

---------ficaram para abrir o sábado:

15: Luke Gordon (EUA), Marco Fernandez (BRA), Tanner Gudauskas (EUA), Chris Foster (HAV)

SEGUNDA FASE – 3.o=65.o lugar (US$ 700 e 600 pts) e 4.o=81.o lugar (US$ 500 e 500 pts):

4.a: Gatien Delahaye (FRA), Adin Masencamp (AFR), Tristan Guilbauld (FRA), Tomas Hermes (BRA)

5.a: Charles Martin (FRA), Ian Gouveia (BRA), Cooper Chapman (AUS), Leandro Usuña (ARG)

6.a: Liam O´Brien (AUS), Imaikalani Devault (HAV), Thiago Camarão (BRA), Dylan Lightfoot (AFR)

7.a: Carlos Munoz (CRI), Beyrick De Vries (AFR), Wiggolly Dantas (BRA), Michael Dunphy (EUA)

8.a: Evan Geiselman (EUA), Hiroto Ohhara (JPN), João Chianca (BRA), O´Neill Massin (HAV)

10: Stu Kennedy (AUS), Charly Quivront (FRA), Alonso Correa (PER), Makai McNamara (HAV)

12: Caleb Tancred (AUS), Luel Felipe (BRA), Weslley Dantas (BRA), Vicente Romero (ESP)

14: Samuel Pupo (BRA), Alejo Muniz (BRA), Finn McGill (HAV), Nicholas Squiers (AUS)

TERCEIRA FASE – entrada dos 32 principais cabeças de chave:

-----3.o=33.o lugar (US$ 1.500 e 1.100 pts) e 4.o=49.o lugar (US$ 1.100 e 1.000 pts)

2.a: Willian Cardoso (BRA), Leonardo Fioravanti (ITA),

3.a: Deivid Silva (BRA), Soli Bailey (AUS),

5.a: Adrian Buchan (AUS), Miguel Pupo (BRA),

6.a: Jack Freestone (AUS), Alex Ribeiro (BRA),

10: Yago Dora (BRA), Ezekiel Lau (HAV),

11: Caio Ibelli (BRA), Jake Marshall (EUA),

14: Griffin Colapinto (EUA), Jadson André (BRA),

15: Michael Rodrigues (BRA), Jessé Mendes (BRA),

Comentários

Notícias | Mais Notícias