#competição #surf 
Ubatuba - São Paulo - Brasil por Fábio Maradei

Júlia Duarte garante título brasileiro pro júnior em Ubatuba

O primeiro dia da final do Circuito Brasileiro de Surf Feminino em Ubatuba foi recheado de grandes momentos. A competição teve início nesta sexta-feira (18) na Praia de Itamambuca, com destaque para as surfistas profissionais.

Previsão Surfguru de águas rasas para a Praia de Itamambuca - SP

Na nova geração, a carioca Júlia Duarte garantiu o título nacional pro-júnior, para atletas com até 18 anos de idade e validado pela Associação Brasileira de Surf Profissional (Abrasp).

Outros dois grandes nomes foram a experiente Suelen Naraísa, que surfando em casa garantiu a maior nota, 9,17, e a argentina Josefine Ane, dona das melhores performances na categoria pro-adulto. O evento segue até domingo e também definirá a campeã brasileira profissional adulta. A grande favorita é Camila Cássia, que compete em casa e estreia neste sábado logo cedo.

Na pro-júnior, Julia Duarte assegurou o novo título ao se classificar para a final. Dessa forma, as rivais não podem mais alcança-la na pontuação final, nem mesmo a conterrânea e amiga Mariana Areno, que também está na decisão da categoria. Julinha venceu a etapa inicial, foi vice na segunda etapa e terá, no mínimo, o quarto lugar. Também estão na final a revelação Laura Raup, de Florianópolis, e Bruna Carderelli, de São Sebastião.

“Estou muito feliz. Estava muito empolgada para ganhar a bike elétrica (prêmio). Ano passado eu perdi o título no último minuto (para Tainá Hinckel) e agora deu tudo certo. Essa conquista representa muito, porque fui campeã pela CBSurf e agora pela Abrasp também”, vibra a surfista que ainda pode erguer mais três troféus nesta temporada. “Tem o Carioca, o ISA Junior Championship, na Califórnia, que estou indo agora, e o Sul-Americano Pro-Júnior”, conta a surfista de apenas 16 anos.

Já na pro-adulto, que tem presença internacional, a argentina Josefina Ane comandou a festa, com as duas melhores médias até agora. A atleta que já venceu até etapa de QS no Circuito Mundial, fez 14,33 pontos na primeira fase e 13,44 no round seguinte, onde dividiu a classificação para as quartas-de-final com Suelen Naraísa.

A bicampeã brasileira ficou emocionada ao garantir a melhor nota até o momento. Além de ser a inspiração para a criação desse evento exclusivo para mulheres, pelo seu irmão Wiggolly Dantas, de ajudar em toda a organização nesses cinco anos, ela compete “em casa”, onde surfa desde criança. Além disso, é a atleta mais experiente entre todas, aos 35 anos e se recupera de uma lesão no tornozelo.

Ao sair do mar, Suelen teve de ser amparada, por queda de pressão, talvez consequência de toda a emoção. “Estou até emocionada, porque foi um ano difícil, cheia de lesões (pausa para choro). Tudo o que eu queria era estar aqui em casa competindo e me divertindo, porque competir aqui em Itamambuca é gratidão pela vida que tive no surf. Esse evento, a união da nossa família para realizar é o agradecimento por tudo que o surf nos deu”, falou.

“Competir em Itamambuca, onde aprendi a surfar, cresci e tive grandes vitórias é realmente gratificante. Na outra etapa eu não pude competir, devido a uma lesão no tornozelo, mas participei dando as aulas de surf para a criançada como parte do evento. Tudo o que mais queria era estar aqui, me divertindo com minhas amigas, minhas atletas, porque hoje já não tenho mais o foco da competição, mas trabalhando como coach de surf”, reforçou.

Apesar de falar que não tem mais o foco em disputas, a veia competidora acaba falando mais alto como ela mesmo admite. “Quando piso na beira d’água eu peço proteção e que venham as ondas boas para conseguir mostrar o meu surf, porque mais do que ninguém eu conheço essa onda”, complementou Suelen.

Ainda nesta sexta-feira entraram no mar as atletas da sub14 e sub16. Laura Raupp, que já está na final pro-júnior, também avançou nas duas categorias e ainda teve a melhor média na sub16. Já na sub14, a melhor atuação foi de Nairê Marquez, que na etapa anterior venceu as duas faixas etárias.

Em paralelo às disputas nas ondas, o Circuito Brasileiro de Surf Feminino conta com várias ações, como aulas de surf para o público, atividades para as crianças e palestras socioeducativas. Neste sábado, a competição começa às 8 horas com as quartas-de-final pro-adulto. Também entrarão no mar a sub10, sub12, sub14, sub16 e a longboard. O domingo terá início 8h30 com a final dos pranchões. Depois a decisão da sub10, a semifinal da pro-adulto e na sequência, só decisões. A premiação está marcada para meio-dia.

Idealizado pelo surfista Wiggolly Dantas, o Circuito Brasileiro de Surf Feminino em Ubatuba é resultado de convênio firmado entre a União, por intermédio da Secretaria Especial do Esporte, do Ministério da Cidadania, e a Prefeitura Municipal de Ubatuba. Patrocínios da Wizard by Pearson, Radical Times, Ubadesklimp e Ubasurf Motors, com apoios da Banana Wax, Padaria Itamambuca, Gangster e Quiosque Tia Albertina, Dantas e ONG Esmeralda. Colaboração: Fisioterapia Sérgio Neri, Pono Beachwear, Gigi Watery, Silva Indaiá Supermercado, Floricultura Rosa de Sarom, Pizzaria São Paulo, Lazybbag, EaD Unitau, Byrne e Firma. Divulgação: Waves e FMA Notícias. Supervisão técnica da Associação Brasileira de Surf Profissional (Abrasp), Federação Paulista de Surf e Associação Ubatuba de Surf (AUS).

 

Comentários

Galerias | Mais Galerias