#competição #comunidade #surf 
Jeffreys Bay - Cabo Oriental - África do Sul por Fábio Maradei

Filipe Toledo em busca do tri em J-Bay

Sem pressão e querendo se divertir, Filipe Toledo vai em busca do tri em J-Bay e da liderança do ranking mundial.

Previsão Surfguru para Jeffreys Bay - África do Sul

A ordem é se divertir, surfar sem pressão em busca de novos e importantes resultados, incluindo a liderança do ranking e um histórico tri consecutivo em Jeffreys Bay. Foi assim na disputa passada em Saquarema, com uma vitória marcante, a terceira no Brasil e a segunda seguida em Saquarema, e agora a expectativa é repetir a “fórmula” no Corona Open J-Bay, a sexta etapa do Championship Tour, que começou nesta terça-feira (9), nas famosas direitas em Jeffreys Bay, na África do Sul.

Filipe Toledo começou a defender o título do Corona J-Bay Open com os recordes da primeira fase na terça-feira, 17,60 pontos com notas 9,10 e 8,50.

Atual terceiro colocado no ranking e com chances reais de assumir a lycra amarela de líder, o brasileiro Filipe Toledo é enfático sobre a próxima apresentação. “O segredo é aproveitar, me divertir, porque é um lugar mágico. Fazer o que ama com prazer. A partir do momento que a gente perde o prazer no que a gente ama, não dá mais. Nesse momento que estou, bem gostoso, depois da vitória em Saquarema, posso aplicar o mesmo em J-Bay. Chega de pressão, agora é só diversão”, avisa.

Em 2018, Filipinho venceu o australiano Wade Carmichael (16,80 a 15,33) e no ano anterior, superou o português Frederico Morais (18 a 17,73). Neste ano, ele está escalado para a sexta bateria contra o australiano Adrian Buchan e o sul-africano Michael February. “J-Bay é um lugar muito especial. Amo as ondas, o povo local, a cultura, da mesma forma que sou muito conectado na etapa de Saquarema, sou aqui também. E só espero que possa fazer uma bela campanha e, quem sabe, o tri”, diz.

“Depois da vitória no Brasil, fico ainda mais motivado. Meu deu bastante confiança”, reforça o atleta, que em Saquarema competiu doente, com uma forte alergia e até febre, que não o impediu de um novo show, e também evidenciou ter passado por um momento de reflexão interna e aproveitou para estar mais próximo da mulher, Ananda, e dos filhos Mahina e Koa, para recarregar as energias.

Para ele, a presença da família o ajudou a estar mais preparado e enxergar o futuro de uma forma mais clara. “Todo mundo passa por momentos assim. Nem tudo são flores. Independente da profissão. Quem vê de fora, a gente viajando para vários lugares do mundo, muitas vezes não imagina quanto temos de pressão. Nem sempre é isso que preenche nosso coração. Tem certos momentos que temos outras prioridades”, afirma.

“Nesse campeonato (Saquarema), pude estar um pouco mais presente com a minha família, com meus filhos, meus amigos, e ajudou muito. Isso nos traz a força, vontade de vencer. Foi uma vitória especial, com gostinho diferente de qualquer outra. Uma vitória que vai dar uma mudada nessa fase. Eu agora tenho me divertido, da forma como eu gostaria de fazer, não como as pessoas esperam de mim, e está dando certo”, complementa.

VAGA OLÍMPICA - Filipe também sabe que esse ano tem uma importância dupla, porque além do título, tem a vaga para a estreia do surf nos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020. “Sem dúvida, é uma conquista muito importante e espero que no final do ano esteja dentro das duas vagas e perto do título. A classificação olímpica é um peso muito grande e vou dar meu melhor, meu máximo para conseguir”, completa o atleta, que tem os patrocínios da Hurley, Oi, Monster, Nike, Oakley, Jeep, GoPro, SumBum, Smoothstar, Stance, Sharp Eye Surfboards e FCS.

 

Comentários

Galerias | Mais Galerias