#meio ambiente #saúde 
Califórnia - Estados Unidos por PETER ANDREY SMITH - New York Times

Surfistas Podem Ter a Resposta Para Contágio por Bactérias Perigosas

Coleta de bactérias que vivem em surfistas pode fornecer aos cientistas respostas para contágio por super bactérias resistentes a antibióticos.

Em uma recente viagem, Cliff Kapono pegou algumas das ondas mais populares na Irlanda, Inglaterra e Marrocos. Ele é orgulhosamente um nativo havaiano e não é de estranhar a caça pelas ondas perfeitas. Mas desta vez ele estava perseguindo algo ainda mais incomum: cotonetes microbianos de outros surfistas.

O sr. Kapono, um bioquímico de 29 anos que obteve seu doutorado na Universidade da Califórnia, em San Diego, lidera o projeto Surfer Biome, um esforço único para determinar se a exposição rotineira ao oceano altera as comunidades microbianas do corpo e se essas alterações podem ter consequências para os surfistas - e para o resto de nós.

O sr. Kapono coletou mais de 500 amostras, esfregando cotonetes com ponta de algodão sobre as cabeças, bocas, umbigos e outras partes dos corpos dos surfistas, bem como nas suas pranchas. Os voluntários também doam uma amostra fecal. Ele usa a espectrometria de massa para criar mapas de alta resolução dos metabólitos químicos encontrados em cada amostra. "Temos a capacidade de ver o mundo molecular, quer se trate de bactérias, um fungo ou as moléculas químicas", disse ele.

Então, trabalhando em colaboração com o Centro de U.C.S.D. para Inovação do Microbioma - que fica bem perto de seu laboratório - O sr. Kapono e seus colegas sequenciaram e mapearam os micróbios encontrados nesta população obviamente anfíbia. Ele e seus colegas estão procurando sinais de organismos resistentes a antibióticos. Parte de seu objetivo é determinar se, e até que ponto, o oceano espalha os genes para a resistência.


Sr. Kapono no seu laboratório na Universidade da Califórnia, em San Diego

Muitos antibióticos usados ​​hoje derivam de substâncias químicas produzidas por micróbios para se defender ou para atacar outros microorganismos. Não há surpresa, então, que as diferentes colônias de bactérias que competem entre si, também evoluíram os seus meios genéticos para se livrar destes produtos químicos.

Enquanto a resistência aos medicamentos ocorre devido ao uso excessivo de antibióticos, os genes responsáveis ​​pela criação dessa resistência são amplamente disseminados na natureza e têm evoluído em micróbios por muito tempo. Surpreendentemente, isso significa que os genes que dão origem à resistência aos medicamentos podem ser encontrados em lugares intocados pelos modernos antibióticos.

Vários anos atrás, os pesquisadores identificaram genes resistentes a antibióticos em uma amostra de permafrost antigo em Nunavut, no Ártico canadense. William Hanage, epidemiologista da Escola de Saúde Pública de Harvard, estava entre aqueles que mostraram que esses genes conferiam resistência à amikacina, uma droga semi-sintética que não existia antes dos anos 70. "Havia um gene que codificasse a resistência a este antibiótico em algo que estava vivo há 6.000 anos atrás" disse ele em uma entrevista.

Outro grupo liderado por Hazel Barton, um microbiologista da Universidade de Akron, descobriu microorganismos que abrigam genes de resistência a antibióticos na Caverna de Lechuguilla, no Novo México. Essas bactérias, chamadas Paenibacillus sp. LC231, foram isoladas da superfície da Terra por quatro milhões de anos, mas testes mostraram que elas eram capazes de resistir a 26 de 40 antibióticos modernos.

Sessenta diferentes genes de resistência foram encontrados em bactérias transportadas pelos Yanomami, um grupo indígena na Amazônia, em uma aldeia que se pensa estar isolada até que os pesquisadores a visitaram em 2009. A resistência também foi identificada em restos humanos mumificados que datam do século XI.

Esses genes não estão apenas espalhados na natureza - eles também estão sendo passados ​​por formas inesperadas. Uma grande quantidade de genes de resistência foi encontrada em bactérias flutuando na poluição do ar em Pequim. Um levantamento de países em desenvolvimento identificou galinheiros e instalações de tratamento de águas residuais urbanas como potenciais "hot spots" para a troca de genes de resistência.

O oceano, lar de uma incrível diversidade de química dissolvida, também atua como um reservatório para esses genes, e os pesquisadores estão tentando descobrir se eles se movem dos mares para a população humana. Então, quem melhor para ser estudado do que os surfistas?

"Muita pesquisa sobre a transmissão de bactérias resistentes tem se concentrado nos ambiente de hospitais, clínicas, etc", disse Anne Leonard, epidemiologista ambiental da Universidade de Exeter, que está investigando se os surfistas têm taxas mais altas de colonização bacteriana. "O que é menos bem estudado é o papel que os ambientes naturais desempenham."

Segundo algumas estimativas, os surfistas podem engolir cerca de 170 mililitros de água do mar por sessão. O Dr. Leonard e William Gaze, do Centro Europeu para o Meio Ambiente e Saúde Humana, e seus colegas estimaram que os nadadores recreativos e surfistas na Inglaterra e no País de Gales podem ser expostos a cepas resistentes de E. coli no oceano em mais de seis milhões de ocasiões a cada ano.

Como as bactérias pegam rapidamente e transmitem informações genéticas entre as espécies, os pesquisadores suspeitam que os riscos de se adquirir genes resistentes são maiores em locais que facilitam a transferência direta com os micróbios que já habitam o nosso corpo. As águas costeiras poluídas com esgoto, nesta visão, são provavelmente os mais preocupantes do que a poluição do ar ou as cavernas profundas.

No momento, ninguém tem certeza se é realmente possível para as pessoas pegar esses genes microbianos após um longo dia na praia. No laboratório, entretanto, o Sr. Kapono encontrou a evidência para a transferência dos genes da resistência das bactérias no oceano com as colônias encontradas no intestino humano, quando estas se juntam.

Pressões evolutivas favoreceram o aparecimento dos genes resistentes. Os micróbios estão recorrendo a esse banco natural de resistência hoje para ficarem resistentes às melhores drogas inventadas pelos seres humanos. "Esses genes de resistência aos antibióticos não surgiram para tornar as nossas vidas embaraçosas", disse o Dr. Hanage. "Eles têm funções completamente diferentes que só recentemente foram reutilizadas. Essas coisas estão em toda parte", acrescentou. "Se quisermos impedi-los de entrar nas bactérias que estão nos matando, precisamos entender aonde eles estão".

De volta à Califórnia, o Sr. Kapono começou a analisar os dados de sua missão mundial. Até agora, nem ele nem seus colaboradores encontraram provas de que nadadores ou surfistas estão pegando infecções resistentes aos antibióticos no oceano. Mas Kapono percebeu em seus dados preliminares que certos metabólitos de seus corpos se assemelham aos de outros surfistas locais, quando estes mudavam para outra região. Isso poderia ser um resultado de aspectos comuns na dieta ou estilo de vida - ou poderia ser uma evidência de que imergir nossos corpos em ambientes salinos, ricos em micróbios tem um impacto bioquímico detectável.

Sr. Kapono tirou amostras de surfistas na Califórnia e no Havaí; Surfistas no Pacífico Sul são os próximos. Ele está planejando uma viagem ao Chile para realizar o trabalho de campo em Punta de Lobos. A localização rural pode produzir alguns micróbios únicos.

Fonte: New York Times

Comentários

Galerias | Mais Galerias